Header Ads

Mau tempo e cansaço do piloto influenciaram no acidente que matou Eduardo Campos

20160119145814171374uO Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) apresentou para as famílias o relatório final da investigação da queda do Cessna Citation 560 XLS+. O acidente, em 13 de agosto de 2014, vitimou o ex-governador Eduardo Campos, quatro pessoas de sua equipe e os dois pilotos. As primeiras informações, que logo mais serão repassadas para a imprensa, em coletiva em Brasília, indicam que o tempo ruim e a pouca visibilidade podem ter desnorteado o piloto Marcos Martins. Além disso, o cansaço do piloto foi um dos fatores que contribuíram para o desastre.

A ex-primeira-dama Renata Campos embarcou hoje para a capital federal, juntamente com os filhos João Campos e Maria Eduarda, para acompanhar a coletiva. As jornalistas Cecília Ramos e Ana Braga, respectivamente viúva e irmã de Carlos Percol (assessor de imprensa de Campos) e Rita Regina, mãe do fotógrafo Alexandre Severo, também foram para Brasília.

Um relatório preliminar, apresentado pelo Cenipa há quase um ano, apontou indícios de falha humana como possível causa da tragédia. Um dos questionamentos feitos na época foi se os pilotos, Geraldo Magela e Marcos Martins, tinham treinamento específico para pilotar a aeronave.

O acidente
Na manhã do dia 13 de agosto de 2014, a aeronave que transportava o ex-governador Eduardo Campos e sua equipe caiu no bairro do Boqueirão, em Santos, em plena campanha presidencial. Além de Campos e dos pilotos, morreram Carlos Percol (assessor de imprensa), Alexandre Severo (fotógrafo), Pedro Valadares Neto (assessor) e Marcelo Lyra (fotógrafo). A tragédia mudou o cenário político naquele ano, alçando a então candidata à vice-presidente, Marina Silva (Rede), à disputa direta pela Presidência da República.

Diário de Pernambuco