Jaques Wagner é suspeito de receber R$ 78,5 milhões de propina da Fonte Nova, diz PF



O ex-governador da Bahia, Jaques Wagner (PT) recebeu R$ 82 milhões de propina e doação não declarada fruto de irregularidades na contratação dos serviços de demolição, reconstrução e gestão da Arena Fonte Nova. A informação foi divulgada na manhã desta segunda-feira (26) pela Polícia Federal (PF) no âmbito da Operação ‘Cartão Vermelho’ que busca suspeitos de envolvimento na fraude a licitação, superfaturamento, desvio de verbas públicas, corrupção e lavagem de dinheiro.

Wagner é o atual secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia. O inquérito foi iniciado em 2013 e partiu de um estudo da Universidade Federal da Bahia que apontou irregularidades, entre elas que a Parceria Público Privada (PPP)  não era vantajosa para o estado.

Chefe da delegacia de combate à corrupção da PF, a delegada Luciana Matutino explicou que Wagner recebeu boa parte do valor desviado para pagar campanha. “Dos 82 milhões de doação, só R$ 3,5 milhões foram declarados, pelo que apontam as investigações até agora. De acordo com as investigações a licitação da Fonte Nova foi direcionada e decidida pela governadoria. A maioria das vezes a propina foi paga em espécie“, afirma a delegada.

Outros indiciados

Em valores atualizados, o desvio chega a R$ 450 milhões. Além de Wagner, a PF indiciou Bruno Dauster, atual secretário da Casa Civil da Bahia, e o empresário  Carlos Dalton. A PF pediu a prisão dos três, mas a Justiça negou. “Entendemos que deveria ter condução coercitiva hoje para que não pudessem combinar resposta.  Mas por decisão do Supremo Tribunal Federal as conduções estão suspensas. Em razão disso pedimos a prisão preventiva que foi negada pela Justiça“, explica o superintendente regional da Polícia Federal na Bahia, o delegado Daniel Justo Madruga.

Uma das entregas do dinheiro, segundo a PF, foi na casa da mãe de Wagner no Rio de Janeiro. Durante a operação nesta segunda-feira a residência e o local de trabalho de Wagner foram alvo de busca. Os materiais serão analisados nos próximos 15 dias.

fonte: Correio da Bahia
Foto: Divulgação