Mãe que teria gravado vídeo estrangulando seu filho, é presa pelo Nucria

[caption id="attachment_1845" align="aligncenter" width="500"]crianca-levada-conselho-tutelar A criança agora deve ficar em um abrigo temporário. A avó materna deve pedir a guarda do garoto. Foto: Giuliano Gomes[/caption]

Thays Caroline Chaves, 21 anos, a mãe que filmou as agressões ao próprio filho, de 3 anos, foi presa na madrugada desta terça-feira (29) e já está no Complexo Médico Penal, em Quatro Barras, na região metropolitana de Curitiba. Ela prestou depoimento na tarde de segunda-feira (28), no Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria), responsável pela investigação do caso, mas a prisão só foi concedida horas depois.

Ela aparece em dois vídeos, que circulam nas redes sociais e despertaram muita revolta pela brutalidade e covardia. Nas imagens, a mulher estrangula uma criança, que grita, chora e chega a ficar roxa. A criança agora deve ficar em um abrigo temporário. A avó materna deve pedir a guarda do garoto.

mae-estrangula-filho
A jovem se apresentou à polícia acompanhada do advogado, que sustenta que o vídeo em que aparece o rosto da moça é uma montagem, feita para “denegrir a imagem” dela. O pai do menino, Paulo Braz Machado, afirma que no último sábado (26) Thays foi até a casa dele, no bairro Campo do Santana, com parentes armados que o ameaçaram para levar o filho, que estaria com ele desde que ela lhe enviou os vídeos como ameaça para reatar o relacionamento.

Os dois, familiares e outras testemunhas foram ouvidos no Nucria. A delegada Lucy Santiago disse que um boletim de ocorrência sobre o “rapto” da criança tinha sido registrado em outra delegacia e, por meio de informações repassadas por um investigador, o Nucria assumiu o caso. “Em princípio estamos investigando o crime de tortura”, afirmou a delegada.

Ameaças












Pai disse ter ódio ex. Foto: Giuliano Gomes.

O pai da criança, Paulo Braz Machado, contou que a ex-companheira lhe enviou os vídeos torturando a criança no sábado retrasado (18). Segundo ele, era uma chantagem para que eles reatassem o relacionamento, que terminou há cerca de um mês.

Paulo comentou que não sabe como os vídeos começaram a circular e disse sentir ódio da ex-companheira. "Ela não está dando chance para ele, o direito dele de viver. Ela deixa meio que a criança de lado e dá mais importância para mim", disse. Ele afirmou que Thays tinha agredido o filho outras vezes.fonte (Paraná online )

Nenhum comentário